quinta-feira, 4 de junho de 2015

VOCÊ MANTEM UMA RALAÇÃO SAUDÁVEL COM O DINHEIRO?

Diz o ditado que dinheiro não compra tudo. Porém, com uma grande quantidade desse recurso, é possível ter uma qualidade de vida melhor, não é mesmo? Isso significa, por exemplo, ter uma casa no campo ou na praia, fazer um curso conceituado, viajar ao exterior, possuir o carro do ano, ter um bom plano de saúde etc.
No entanto, entre o sonho e a realidade, algumas pessoas podem se perder quando o assunto é relação saudável com o dinheiro. Para que você fuja das armadilhas na sua vida financeira, acompanhe as dicas a seguir.
Faça um diagnóstico
Quem não sabe aonde quer chegar, tende a caminhar em círculos. Por isso, faça um exame detalhado das suas finanças. Anote, seja em papel ou em uma planilha, todas as suas entradas (o que recebe) e suas saídas (o que gasta). Descubra se o saldo é positivo ou negativo. O ideal é que você tenha essa comparação mensal e anual. Depois de saber a sua real situação financeira, é hora de você traçar as suas estratégias, seja para quitar dívidas, se estiver “no vermelho”, ou gerar ainda mais renda, caso esteja “no azul”.
Tenha um plano B
Na vida financeira, o senso comum orienta que devemos economizar para, assim, poupar e juntar algum dinheiro. Contudo, quase sempre esse esforço não compensa, já que é preciso de um longo prazo, às vezes de décadas, para que essa tática funcione. Logo, procure uma renda complementar à sua renda regular. Isso pode ser feito, por exemplo, por meio de um negócio próprio, de venda de consultoria, de trabalhos como freelancer, entre outras formas. Nesse sentido, a própria sabedoria popular nos ajuda, quando diz: “não coloque todos os ovos na mesma cesta”. Portanto, diversifique as suas fontes de recursos financeiros.
Gasto x Investimento
Para ter uma relação saudável com o dinheiro, procure diferenciar o que é gasto e o que é investimento, ou seja, aquilo que traz e não traz retorno para você mais tarde. Por exemplo, comprar algo no impulso, que você deixará de usar poucos dias depois de receber a mercadoria, pode ser apenas um gasto. Já adquirir um livro ou um curso, pelo qual você se aperfeiçoará e obterá mais conhecimento, sem dúvida é um investimento. Afinal, você utilizará o seu aprendizado para lhe trazer retornos positivos, sejam financeiros ou não. Logo, procure ter sempre em mente as relações de custo/benefício das suas ações.
Esteja à frente
Na corrida dos negócios, procure estar no pelotão de elite, ou seja, entre aqueles que serão os primeiros a largar. Se você vive sempre endividado, com juros do cartão de crédito ou do cheque especial para pagar, você ficará sempre atrás. Nesse caso, você trabalhará para pagar dívidas e não para investir e ter retorno. A frase “dinheiro traz mais dinheiro” tem um certo grau de verdade. Os recursos financeiros estão em constante movimento, ainda mais no mundo moderno em que vivemos hoje. Por isso, crie mecanismos para que esse dinheiro em circulação chegue até você.
Tenha propósito
Lembra da qualidade de vida, que citamos ali no início? Para você ter realmente uma relação saudável com o dinheiro, você precisará ter clareza sobre uma pergunta: “por que ou para que eu quero ganhar dinheiro?”. De nada vai adiantar acumular uma fortuna, se ela só lhe traz problemas, insegurança, estresse e não satisfação. Portanto, não seja jamais escravo do dinheiro, lembre-se sempre de que você deve estar no controle da relação, até porque o dinheiro é um meio e não um fim para a sua realização pessoal e profissional.
Roberto Navarro

Nenhum comentário:

Postar um comentário