quarta-feira, 25 de março de 2015

10 Dicas para Organizar as Finanças Pessoais

A organização das finanças pessoais representa um ponto fundamental na vida de todos nós. Dificuldades financeiras afetam diretamente o aspecto emocional e a produtividade no trabalho, além de acarretar instabilidade no ambiente familiar. Muitos acreditam que basta ter dinheiro para que todos os problemas se resolvam. Na verdade, isso é consequência, não causa.
Ao contrário do que pode parecer, a estabilidade financeira depende de ações relativamente simples –  basicamente de planejamento e disciplina. Organizar as finanças representa o primeiro passo em direção à concretização de sonhos e projetos. A partir de iniciativas implementadas no dia-a-dia, qualquer pessoa pode obter equilíbrio financeiro e se transformar, em uma segunda etapa, em investidor. Eis algumas dicas:

terça-feira, 24 de março de 2015

Curso de Educação Financeira para Empreendedores

Agora este Curso está disponível também em Vitória e Vila Velha-ES.
O conteúdo do Curso é embasado na Metodologia DSOP (Diagnosticar, Sonhar, Orçar e Poupar) e focado na busca pela sustentabilidade da empresa de cada empreendedor.
Carga horária: 40 horas
Público-alvo: Empreendedores em Potencial e Empresários
Escolaridade mínima: Ensino Médio completo
Faixa etária: a partir de 18 anos
Horário: 08h30 às 18h
Local: Vila Velha-ES
Objetivo do Curso
Disseminar o conceito de Educação Financeira, contribuindo para a criação de uma nova geração de empreendedores independentes financeiramente, garantindo a sustentabilidade de sua empresa e a realização de muitos sonhos e objetivos.

Descrição dos Conteúdos:

quinta-feira, 19 de março de 2015

Aposentadoria: um assunto para pais e filhos

Já disse aqui diversas vezes sobre a importância de se ter uma previdência complementar a do INSS. No entanto, dessa vez, além de reforçar essa ideia, quero mostrar que o problema que temos hoje com diversos aposentados não tendo sustentabilidade financeira pode ser resolvido se já inserimos as crianças nesse assunto.

terça-feira, 17 de março de 2015

A PSICOLOGIA DO DINHEIRO, PROSPERIDADE E ABUNDÂNCIA

O que impede as pessoas de obterem sucesso financeiro e ter abundância nas suas vidas? A resposta é geralmente focada em torno da crença de que o sucesso financeiro não é uma possibilidade. Muitas pessoas criam várias barreiras que as impede de conseguir a abundância.

Se você tem crenças limitantes sobre dinheiro a nível inconsciente, será difícil alterar as limitações financeiras porque a sua mente inconsciente irá obstruir seus esforços para ter sucesso. Esse é o motivo pelo qual algumas pessoas acabam vivendo de contracheque a contracheque toda a vida – em algum nível elas não acreditam que são capazes de fazer melhor.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Mulheres ainda enfrentam preconceitos financeiros

Se, há algumas décadas, os homens eram maioria esmagadora como chefes de família, em todos os sentidos, hoje, a situação é bem diferente, mas ainda não é equilibrada. As mulheres lutaram e tiveram muitas conquistas, inclusive em questões profissionais e, consequentemente, financeiras.

terça-feira, 10 de março de 2015

Como encontrar o Caminho para o Sucesso Financeiro

Qual é o caminho mais curto para o Sucesso Financeiro?

Falemos um pouco sobre “postura” ou “estado mental” e sua importância sobre a possibilidade de as pessoas se darem bem ou não na vida, terem Sucesso ou Fracasso.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Você sabe o que é Consumo Patrocinado? E Consumo Consciente?

Sempre preocupado com a situação financeira própria e das pessoas próximas, certamente você já ouviu falar em ‘consumo patrocinado’, a nova expressão para designar o consumo impulsivofeito de forma inconsciente e que é a alegria da publicidade e da área bancária. Uma educação financeira mínima já nos alerta para esse tipo de hábito de consumo, patrocinado pelas duas áreas mencionadas.
Consumir é uma necessidade da sobrevivência, mas consumir sem planejamento pode nos levar por um caminho indesejado, de endividamento e inadimplência. Não se iluda ao considerar, por exemplo, que está em uma situação financeira confortável. Os verdadeiros fazedores de fortunas não negligenciam o consumo consciente.
Confira algumas dicas para você proteger o seu dinheiro e deixar de ser um ‘Consumidor Patrocinado’:

terça-feira, 3 de março de 2015

Dívida: use com moderação

Endividamento é uma palavra que assusta qualquer um, principalmente quando pesquisas revelam que o índice está aumentando já entre os jovens. No entanto, com a minha longa experiência como educador e terapeuta financeiro, posso afirmar que, na verdade, a maioria das pessoas possui um entendimento errado sobre o significado de ter dívidas.
Além disso, saliento que os institutos de pesquisa não abrangem a população em sua totalidade, uma vez que não conseguem mensurar as pessoas que estão fora do sistema bancário, ou seja, aquelas que, ao invés de pegarem linhas de crédito ou usarem o limite do cheque especial, pedem empréstimo para amigos e familiares ou ainda abrem uma conta em mercados, açougues e padarias para pagar no final do mês. E isso quer dizer, claro, que o número real de endividados pode ser bem maior.
Mas aí entro na questão: será que estar endividado é algo tão ruim assim? Se não for controlado, sim, pois o endividado passará a ser inadimplente, o que fará com que tenha complicações, podendo ter seu nome na lista do SPC e Serasa, por exemplo; agora, se for consciente, não é um problema, faz parte da vida. Inclusive, os investidores, muitas vezes, são endividados, pois possuem uma visão empreendedora e comprometem os seus recursos para impulsionar seus ganhos.
Um bom exemplo de quando dívida não é ruim é alguém que, mesmo sem ter o dinheiro para bancar à vista, paga a educação dos filhos ou um curso profissionalizante para si; nessas situações, a dívida é considerada um investimento, portanto, não há nada de errado, muito pelo contrário, em médio e longo prazo, haverá um retorno, seja cultural, profissional ou financeiro.
O contrário – a dívida sendo um problema – é quando a pessoa nem sequer sabe com o que gasta e acaba precisando utilizar linhas de crédito para honrar com os compromissos. Isso se torna um círculo vicioso, que faz com que o devedor se enrole cada vez mais com as finanças e, consequentemente, realize menos sonhos. Viver fora do padrão de vida e não respeitar o dinheiro que ganha são consequências da falta de educação financeira, que, infelizmente, é a realidade da maior parte da população brasileira.

Para que isso mude, é necessário ter essa consciência e buscar se informar mais sobre essa questão da educação financeira, por meio de livros, palestras e cursos – alguns online e até gratuitos, basta procurar. Os sonhos movem as pessoas e fazem com que elas tenham disciplina para mudarem de endividados descontrolados para indivíduos conscientes e sustentáveis.
Reinaldo Domingos DSOP